Total de visualizações de página

23/03/2012

No dia da nossa consagração "Pastor Duane Ageu Melo dos Santos e Pastor Francivaldo Silva Pereira,No dia 22/03/2003 Pela a Igreja Batista Biblica Âncora
Batismo dos irmãos: Marilene,Antonia,Edinaura,Ricardo,Roberto,Ancelmo,Anderson  em 19/12/2011

17/11/2011

Precisamos de ombros amigos Precisamos de ombros amigos Texto: Números 7:7-9 Introdução: Os filhos de Coate não tinham carros para transportar a carga do tabernáculo. A família de Gérson transportaria as coisas mais leves do tabernáculo e por isso precisavam de “dois carros e quatro bois” (Números 7:7). A família de Merari transportaria as coisas mais pesadas do tabernáculo e a eles foi dado “quatro carros e oito bois” (Números 7:8). A razão pela qual a família de Coate levaria a carga sem carros e sem bois era porque eles transportariam a carga sagrada que estava dentro do lugar santo e do lugar santíssimo “sobre os ombros”. Observe que todas estas famílias tinham que fazer um trabalho, uns mais leves outros mais pesados, mas todos tinham que dividir se no trabalho de mover o tabernáculo de um lugar para o outro. Há cargas sagradas que só os ministros de Deus, homens e mulheres podem carregar, e não a podem transportar com carros e bois, mas sobre os ombros. Todos nós temos a responsabilidade de levar cargas e fazer o trabalho que Deus nos ordenou. Deus diz claramente a mim como pastor, a você como líder e a você como membro “Dá-me os teus ombros”. Esta é a mensagem que Deus nos tem dado para compartilhar hoje. I. Deus está buscando crentes com ombros de oração 1. O diabo busca crentes religiosos, que sejam apáticos à oração. Muitos crentes se encontram sem tempo para orar. a. O diabo gosta disso. Temos que orar para que nós sejamos cristãos com ombros fortes de oração. 2. Ore muito ou ore pouco, o importante é que entres na presença de Deus e tenhas um encontro com ele. 3. O apóstolo Paulo no livro de Efésios capítulo 6:18 nos diz: “Orando em todo tempo com toda oração e súplica no Espírito.” a. A segunda arma defensiva do crente é a oração. b. Com nossa oração vencemos o diabo e os demônios quando a empregamos para repreendê-los e resisti-los. Nela nos apoiamos para fortaleza. 4. Sem a oração não podemos ser crentes vitoriosos. Se perdermos os ombros da oração vamos perder nossas forças espirituais. II. Deus está buscando crentes com ombros de santidade 1. Em 1 Samuel 9:2 lemos: “Este tinha um filho, cujo nome era Saul, jovem e tão belo, que entre os filhos de Israel não havia outro homem mais belo do que ele; desde os ombros para cima, sobressaía a todo povo.” Saul era belo e sumamente alto. Os crentes manifestam e destacam sua santidade. Precisam ser altos em sua vida moral e ética. Tem que ter estatura em seu caráter santificado. Na vida privada o em público se verá que dos ombros para cima sobressai a todo povo. 2. Deus está dizendo não percas teus “ombros de santidade”. Sem ombros de santidade diremos como Sansão: ”... ir-se ia de mim a minha força e me enfraqueceria e seria como todos os homens” (Juízes 16:17). 3. Logo lemos que Sansão se tornou o crente caído, o homem natural, já que sem o Espírito Santo somos naturais e comuns: ”... e começou a afligi-lo, e retirou se dele a sua força” (Juízes 16:19), e quando despertou a “kryptonita” do pecado lhe tirou as forças. A Dalila que o havia tentado, o mortificava, o molestava e ria-se dele. 4. Assim é o inimigo das almas quando um filho de Deus se deixa cortar com a tesoura do pecado. 5. Sansão porque perdeste teus “ombros de santidade”? III. Deus está buscando ministros com ombros de integridade 1. Deus ama a integridade de caráter naqueles que lhe servem. No Salmo 33:1 diz: “Regozijai-vos no Senhor, vós justos, pois aos retos convém o louvor”. 2. O cristão com ombros de integridade é reto, é exemplar é honrado. A integridade de Jó se resume nesta pergunta de Deus a Satanás: “Observaste tu a meu servo Jó? Porque ninguém há na terra semelhante a ele, homem sincero, e reto, e temente a Deus, e desviando-se do mal.” Jó 1:8. 3. Precisamos de crentes nestes tempos de falta de caráter com ombros de integridade, que sejam crentes de uma só palavra. 4. Homens e mulheres de Deus que não sejam mentirosos, caluniadores, adúlteros, fornicários, homens e mulheres que dentro e fora da igreja mantém sua integridade a Deus. IV. Deus está buscando crentes com ombros de amor 1. Deus está buscando ombros de amor. Crentes que através dele flua o amor aos perdidos, seu amor pelos fracos, seu amor pelos afligidos... Pessoas que sejam comunicadoras do amor. 2. O sacrifício de Jesus Cristo no Calvário foi rotulado com o sangue do amor. Conclusão: Deus está buscando ombros que possam levar as cargas da pregação; das missões, do ensino, do pastorado, a carga de servir a Igreja. Ele te diz hoje: “dá-me teus ombros”

06/11/2011

Culto da Bíblia Branca Anderson e Jammyma

“4 Então, respondeu ele: Não tendes lido que o Criador, desde o princípio, os fez homem e mulher  5 e que disse: Por esta causa deixará o homem pai e mãe e se unirá a sua mulher, tornando-se os dois uma só carne?  6  De modo que já não são mais dois, porém uma só carne. Portanto, o que Deus ajuntou não o separe o homem.”  (Mateus 19:4-6 RA)
1.  Introdução
Eu acredito que  “Sucesso no casamento é mais do que encontrar a pessoa certa; é ser a pessoa certa.”
Mas, ser essa pessoa certa é desafiador. É algo que exigirá alguma renuncia e sacrifício.
Começar uma vida a dois geralmente não é difícil. Alguns casamentos começam assim: “…Benzinho p’ra cá, benzinho p’ra lá… DEPOIS DE ALGUM TEMPO – Meus bens p’ra cá, seus bens p’ra lá…  “
Como eu disse, iniciar uma vida a dois não é difícil. Desafiador é manter essa vida a dois no decorrer dos anos, mantendo-se o afeto, o respeito, a admiração e o amor.
2.  No casamento é preciso deixar algumas bagagens para trás.
Quando vamos fazer alguma viagem não podemos levar toda a bagagem. É preciso deixar uma parte desta bagagem para trás. Só devemos levar roupas em nossa mala que são apropriadas para o lugar que vamos.
Num casamento existem duas pessoas diferentes. Suas opiniões, suas formações e experiências, foram completamente diferentes.
Ao casarmos, nem tudo que aprendemos em casa será útil no relacionamento que agora existe entre marido e esposa.
Existem algumas experiências de vida que colocamos na bagagem de nossa vida, que teremos que deixar para trás.
Algumas experiências serão válidas, outras terão que deixadas.
3.  Sigamos o conselho que nos da a palavra de Deus:  “…deixará o homem a seu pai e sua mãe…”.
Ao se casar, alguns vínculos terão que ser quebrados. O vínculo da dependência emocional de um filho terá que ser rompido. O homem agora não é mais “…o filhinho da mamãe ou do papai…”.
Agora ele está deixando de depender em alguns aspectos de seu pai e mãe, para construir uma nova família.
Quando a Bíblia diz que o homem deve deixar a seu pai e sua mãe, não devemos entender esse conselho como uma atitude de um filho que deve abandonar os seus pais, mas sim, como um processo em que o homem passa a assumir a direção de uma nova família.
 Ele não mais será dirigido por seu pai, mas passará a ser o cabeça de sua própria família. Porém o cabeça, não é um personagem autoritário. Ao contrario, é alguém que age com a mente de Cristo.
Ao comentar sobre o casamento um escritor disse: “Deus não tirou um osso da cabeça de Adão, para que ela dominasse sobre ele, nem de seu pé para ele dominasse sobre ela; mas tirou de debaixo do seu braço, para que ele a protegesse, de perto do seu coração, para que ele a amasse”.
v Lembre-se: é como cabeça que Deus posiciona o homem.
4.  Outra diretriz importante para o casamento é: “… se unirá a sua mulher, tornando-se os dois uma só carne?”
Jesus está dizendo aqui que o homem deixará a sua mulher, e se unirá a ela, tornando-se uma só carne.
Mas, o que significa tornar-se uma só carne? Tornar-se uma só carne não significa ser igual ao outro. Afinal, sempre existem diferenças emocionais e físicas entre um marido e uma esposa.
Ser uma só carne significa haver entre um homem e uma mulher um compromisso mútuo, uma cumplicidade, assim o casal deve ser unido, mas suas ações tem que ser justas e coerentes. Tem que haver equilíbrio.
É importante lembrar o que diz Salomão sobre esta unidade:
Ec 4:“… 9 Melhor é serem dois do que um, porque têm melhor paga do seu trabalho.  10 Porque se caírem, um levanta o companheiro; ai, porém, do que estiver só; pois, caindo, não haverá quem o levante. 11 Também, se dois dormirem juntos, eles se aquentarão; mas um só como se aquentará?”
5.  É importante não esquecer do que diz a Bíblia: “…12 Se alguém quiser prevalecer contra um, os dois lhe resistirão; o cordão de três dobras não se rebenta com facilidade…”
A Bíblia neste texto de Salomão faz também referencia ao cordão de 3 dobras que não se quebra, não se arrebenta facilmente.
 O cordão de três dobras é feito de um material resistente. Não é feito de linha ou barbante. É um cordão feito com fios resistentes até mesmo a prova do tempo.
De fato, a terceira dobra, para quem não sabe é a presença de Jesus Cristo solidificando uma relação a três.
Neste cordão, o Poder de Jesus está presente. Nos fios deste cordão o Sangue de Jesus é passado todos os dias e, por conseguinte nada poderá destruir este relacionamento.
3.   E finalmente, quero falar acerca da existência de alguns componentes importantes para que um casamento venha a durar:
3.1    RESPEITO MÚTUO
Só há um principio de respeito na vida familiar quando, ambos cônjuges aceitam-se como são, entendendo que são diferentes, e essas diferenças precisam ser respeitadas.
MORAL. Todos nós somos diferentes uns dos outros e cada um tem uma ou mais qualidades próprias.
 Não podemos exigir ou forçar para que as outras pessoas sejam parecidas conosco ou tenham nossas qualidades.
Se assim agirmos, acabaremos fazendo com que elas sofram, e no final, elas poderão não ser o que queríamos que fossem e ainda pior, elas poderão não mais fazer o que faziam bem feito. SAIBA RESPEITAR AS DIFERENÇAS É AMAR AS PESSOAS COMO ELAS SÃO!
É bom lembrar o que ensina Efésios 5:33: “Portanto, cada um de vocês também ame a sua esposa como a si mesmo, e a esposa trate o marido com todo respeito.”
3.2    COMPROMISSO GENUÍNO
Implica em uma compreensão de que um vive para o outro. Isto implica em um amor sacrifical.
Jesus fala sobre este compromisso em Mateus 19:5: “Por esta razão, o homem deixará pai e mãe e se unirá à sua mulher, e os dois se tornarão uma só carne”.
Ser “uma só carne” não significa abdicar da personalidade ou dos direitos pessoais, mas implica em haverá entre os dois um sentimento de cumplicidade, de consentimento mútuo, concordância e parceria.
Assim, o casamento é uma realização para os dois.
3.3    BOA COMUNICACAO
Para se comunicar é necessário ter um entendimento emocional, mental e físico das diferenças entre um homem e uma mulher.
As mulheres, por exemplo, costumam se comunicar com mais riqueza de detalhes, os homens são mais objetivos. As mulheres são mais emocionais, os homens mais racionais.
Problemas e diferenças na convivência e comunicação são resolvidos através do perdão. Efésios 4:32: “Sejam bondosos e compassivos uns para com os outros, perdoando-se mutuamente, assim como Deus os perdoou em Cristo.”

6.  Quero terminar citando a letra da música “cordão de três dobras” da cantora Aline Barros:
Quem anda sozinho pode ir mais rápido
Mas nem sempre vai mais longe
Pois temos aprendido que é melhor
Serem dois do que um
É bem melhor serem dois do que um
Porque o cordão de três dobras não se pode romper
Quando dois trabalham há mais ganho em seu labor
E quando há tristeza, há consolo para a dor
E quando a um cair, juntos se levantarão
Estando unidos na batalha vencerão
Finalmente quero lembrar :  “Todo casamento precisa ser uma casa solidamente edificada sobre a rocha, capaz de permanecer em pé ainda que haja “chuva no telhado, rio nos alicerces, vento nas paredes”.
Cliff Barrows ensina que existem algumas palavras que salvam um relacionamento: “Eu estava errado” – Isto se trata do perdão. “Desculpe – eu amo você” – Isto se refere a uma reafirmação do compromisso de amar.
Pr Francivaldo

NOSSO DESTINO FINAL; A VIDA NA ETERNIDADE: NOVOS CÉUS E NOVA TERRA Apocalipse 21: 1-8


Introdução
Uma grande certeza de todos os cristãos, salvos pela fé em Cristo, é que viveremos na eternidade. O conhecimento de que vamos habitar novos céus e nova terra deve transformar nossa vida aqui e agora, pois o céu é o nosso destino final. A segurança de que habitaremos no céu deve levar-nos a uma vida perseverante, plena e abundante em comunhão com Cristo.
Jonathan Edwards, tentando expressar a alegria que os santos irão encontrar no céu, escreveu: “… os santos mergulharão no oceano do amor, serão eternamente envolvidos no amor divino, infinitamente brilhante, doce e suave; receberão eternamente a luz, serão cheios dela e, cercados por ela, refletirão eternamente esta luz de volta para sua fonte.”
I – COMO SERÁ A VIDA NA ETERNIDADE? Ap. 21:1-8, 9-25
a) Na eternidade viveremos no Novo céu e nova terra. Em Apocalipse 21: 1, o apóstolo João declara ter visto "novo céu e nova terra", que representam o local e o estado da perfeita habitação de Deus com seu povo.
É importante saber que todo o universo, como o conhecemos agora, será destruído. Veja 2 Pedro 3:10-13 e Hebreus1:10-12. Assim a expressão “Novo céu e Nova Terra”, se referem a uma criação. Essa expressão não trata de uma renovação desta terra e deste céu que conhecemos, como acreditam os testemunhas de Jeová, mas da criação de um novo ceu e uma nova terra.
No novo céu e nova terra não haverá mar. O texto diz: “… e o mar já não existe….” (21:1). Na linguagem do apocalipse o mar faz separação entre nações. A ausência do mar no novo céu e nova terra nos revelam que não haverá mais a separação entre os povos na eternidade. Todos estarão unidos.
b) Na Eternidade estará a sede do governo de Deus: A Nova Jerusalém. Em nossa nova morada – o Novo céu e nova terra- estará a sede do governo de Deus e do Cordeiro, que é a Nova Jerusálem. A Nova Jerusalém é descrita como um exuberante palácio, com pedras preciosas, jardins, etc…
A Nova Jerusalém desce das alturas para a nova terra (Veja apocalipse 21: 2,3 e 10). A presença da cidade santa na eternidade, nos revela Deus em sua glória habitando com seu povo e. Apoc. 21:3. A nova Jerusalém é a sede do governo de Deus sobre os Novos Céus e a Nova.
É importante conhecermos mais algumas qualidades da Nova Jerusalém:
· Ela possui uma grande a alta muralha, Ap. 21: 12. E uma característica especial desta cidade. Muralhas indicam proteção e segurança. A igreja está segura e nada pode perturbá-la na glória.
· Ela é espaçosa, Ap. 21: 15-17. João revela que a cidade é quadrangular, com largura, comprimento e altura iguais a doze mil estádios, ou seja, 2.200 km. A medida da cidade é um símbolo da sua majestade, magnificência, grandeza, suficiência. Nada está fora de ordem ou fora de equilíbrio.
· Ela é majestosa, preciosa e gloriosa, Apoc. 21:18-21. Na cidade Santa a sua prosperidade é estampada na inúmera quantidade de pedras preciosas usadas em sua construção.
· As suas portas jamais estarão fechadas, Ap. 21:25,26. As portas da sede universal do governo de Deus estarão sempre abertas. Portas abertas simbolizam acesso a Deus, comunhão e relacionamento com Ele na eternidade.
· Nela não entrará pecado, Ap. 21: 27. João afirma que na Nova Jerusalém não entrará nada que a contamine. Somente os que perseveraram na fé e foram salvos desfrutarão deste ambiente de santidade, aqueles cujos nomes estão no Livro da Vida, v. 27b. Os que foram remidos, perdoados, lavados poderão entrar pelas portas da cidade santa.
· Ela tem algumas semelhanças com o Jardim do Éden, Ap. 22: 1-2. A Nova Jerusalém é, na linguagem simbólica do Apocalipse, uma cidade que tem um jardim. No Éden, o homem foi impedido pelo pecado de comer da árvore da vida; na nova Jerusalém ele pode alimentar-se da árvore da vida. Lá ele adoeceu por causa do pecado, aqui ele é curado do pecado. Lá ele foi sentenciado à morte, aquele ele toma posse da vida eterna.
· É onde está o trono de Deus, Ap 22: 3-4. O trono fala da soberania e do governo de Deus. O Senhor reina. Na Nova Jerusalém, serviremos Aquele que nos serviu e entregou sua vida por nós. Os salvos entrarão no descanso de Deus, Hb 4: 9. Os salvos descansarão de suas fadigas, Ap 14: 13, não porém de seu serviço.
II- COMO VIVERÃO OS FILHOS DE DEUS NA ETERNIDADE?
a) Na eternidade viveremos Livres do mal. Na eternidade, os salvos entrarão no pleno gozo da vida na presença de Deus. Jesus dirá: "Vinde, benditos de meu Pai! Entrai na posse do reino que vos está preparado desde a fundação do mundo", Mt 25: 34. Entraremos em um reino onde "nunca mais haverá qualquer maldição, morte, choro ou pranto. Apoc. 21:4 e 22:3.
b) Na eternidade estaremos livres de qualquer tristeza e dor, Ap 21:4. Aquele que fizer parte desta comunidade redimida pelo Senhor jamais sofrerá tristeza e dores. Tudo será novo: "Eis que faço novas todas as coisas", Ap 21: 5.
c) Na eternidade desfrutaremos de plena comunhão com Deus, Ap. 21: 22. No Antigo Testamento, a presença de Deus manifestava-se no tabernáculo, depois no templo. Na Nova Jerusalém não haverá santuário porque "seu santuário é o Senhor".
Ap 22: 4 nos revela: "Contemplarão a sua face…". O que mais ambicionamos no céu não são as ruas de ouro, os muros de jaspe luzente, as mansões ornadas de pedras preciosas, mas contemplar o Senhor. Esta é a grande esperança do salvo.
d) Na eternidade veremos a manifestação da glória de Deus, Ap 21: 23-24. A cidade não será iluminada mais pelo Sol ou pela Lua, mas pela glória de Deus. A lâmpada que reflete a glória de Deus é o Cordeiro.
e) Na eternidade reinaremos com Cristo para todo sempre, Ap 22: 5. Deus nos salvou não apenas para irmos para o céu, mas para reinarmos com ele no céu. Ele não apenas nos levará para a glória, mas também para o trono. Seremos não apenas servos no céu, mas também reis. Reinaremos com o Senhor para sempre. Cristo vai compartilhar com a noiva sua glória, autoridade e poder.

CONCLUSÃO
Cremos que, em breve, Jesus virá ao som de trombetas para buscar sua noiva. A última promessa das Escrituras é esta: "Certamente venho sem demora". E a última oração é esta: "Amém. Vem, Senhor Jesus!", Ap 22: 20. Após essa fervorosa oração de anseio pela segunda vinda de Cristo, segue a bênção: "A graça do Senhor Jesus seja com todos", Ap 22: 21.
A igreja precisa ansiar pelo retorno do seu noivo e valorizar suas promessas, guardando e cumprindo os seus mandamentos, pois afinal, nosso destino último é viver com Cristo na eternidade, para todo sempre!!

25/10/2010

Unidade Abençoada


Um dos capítulos mais envolventes dentro da vida cristã e da teologia é o que trata da existência e da vida da Igreja. O Salmo 133 cujo escritor foi Davi, homem segundo o coração de Deus, fala acerca da unidade da igreja e foi escrito sob uma atmosfera de unidade.
O Salmo descreve o povo de Israel, que pelo menos três vezes no ano, subia a Jerusalém a fim de se apresentar perante o Senhor. Sob tal clima de unidade, Davi exclamou: “Oh! Como é bom e agradável que os irmãos habitem juntos esta unidade” (Hb). Essa habitação não se refere a posições exclusivas e institucionais da igreja local.
Esse conceito de habitar juntos em união só tem conteúdo teológico correto, quando o crente ou a comunidade alcança o sentido da unidade da igreja de Jesus Cristo e se abstrai da idéia de grupos isolados e divididos à sombra de atitudes humanas e de interesses pessoais.
A união comunitária tem um preço a ser pago, para mante-la é indispensável andar na Palavra, porque o crente tem que pertencer a mesma família, habitar sob o mesmo e participar da mesma. Jesus disse: “ E Eu já não estou no mundo, mas eles estão no mundo e Eu vou para ti. Pai Santo, guarda em Teu Nome aqueles que me deste para que sejam um, assim como nós”.
Essa identificação e fraternidade entre os crentes não pode ser formal ou sacrificial, muito menos falsa, isso seria uma postura mundana, bem longe da vontade de Deus. O Espirito Santo habita em nós, então aprenda a ver Deus em seu irmão.
Uma tentativa de preservar a unidade do Senhor, uma herança que, por ser eterna, somente pode ser alimentada na Fonte de Agua Viva.
Deus é um, Pai Filho e Espirito Santo, a unidade, isto é, o Seu próprio ser é um e também é um o que Ele faz.
A igreja é um corpo, onde Cristo é o Cabeça. E tem vários membros, cada um com sua atividade especifica. A paz e comunhão deste corpo quando é quebrada ou mutilada, geralmente é resultado da ação do inimigo e da nossa permissão e participação em suas ações.
A presença de Jesus é tranqüilidade, entendimento, harmonia, paz e unidade. Por isso o salmista dizia: “Oh, quão bom e quão suave é que os irmãos vivam em união”.
Que o Nosso Senhor Salvador Jesus Cristo nos abençoe!


Pr Francivaldo

O ENSINO PASTORAL

O Evangelho aqui mencionado reproduz a alegria feita por Jesus:  “Eu sou o bom pastor”. Jesus revela-se, pois como um bom pastor, que por sua dedicação total e exclusiva às suas ovelhas, pode ser chamado “O Bom Pastor” por excelência. Nesse sentido, são poucos os participantes do ensino pastoral em nosso tempo que têm alcançado a excelência de bom pastor.
A figura do pastor é no antigo testamento, simbolo da dedicação, do cuidado e do amor desinteressado. Essa imagem é muitas vezes aplicada a Jahwe (Is. 40:11). O título “pastor” torna-se a partir do século VI AC, um termo messiânico e passa a indicar o futuro rei davídico, que em oposição aos atuais reis, será o verdadeiro pastor de Israel.
A primeira afirmação: “Eu Sou o Bom Pastor” é brevemente explanada pelo contraste com figura oposta do mercenário. O Senhor, o Todo Poderoso, julga os padrões de sinceridade, Ele sabe queo ensinoPastoral desta igreja tem se fixado ao lado de todas as manifestações de lealdade cristã, como ato de bom testemunho. A figura do verdadeiro pastor é realçada pela contraposição de tipos e do modo de agir de cada um deles em relação ao bem estar das ovelhas.
O bom pastor é aquele que não deixa suas ovelhas sozinhas e abandonadas. Na segunda afirmação: “Eu Sou o Bom Pastor” a explanação é baseada na relação íntima que existe entre Jesus e seu discípulos, essa intimidade ministerial tem sido procurada pelo ensino pastoral dessa igreja, na vivência do ministério, do serviço que foi entregue pelo Senhor.
Porque existe entre Jesus e sus discípulos uma união íntima, cujo modelo e fundamento é a própria união existencial entre Jesus e o Pai. Esta Igreja tem este propósito também: a união íntima com o bom pastor Jesus Cristo, o Pai e o Espirito Santo. Esta união plena é alcançada dia a dia, quando buscamos fazer a vontade de Deus, quando evangelizamos, trazendo os perdidos para a luz, quando amamos, quando cuidamos dos nossos ministérios com amor, quando respeitamos o nosso irmão, quando lembramos que somos o corpo de Cristo e Cristo é o cabeça deste corpo na unidade do Espirito Santo.

Pr francivaldo

PENSANDO COMO SERVO DE DEUS

“Lembrai-vos da palavra que eu vos disse: não é o servo maior do que seu senhor. Se me perseguiram a mim, também perseguiram a vós outros; se guardaram a minha palavra, também guardarão a vossa” (Jo.15:20).

Ser servo de Deus, requer uma mudança de comportamento e de mente, uma nova postura. Deus está sempre mais interessado em saber o que você faz, e por que faz.
Na qualidade de servo de Deus, não existe o “determinismo”, tão comum nas igrejas neopentencostais. Mas, uma submissão total e sem reserva ao Senhorio de Jesus Cristo.
Quando pensamos como servos de Deus, temos que nos submeter a sua vontade, mesmo que ela no momento não pareça para nós, ser “Boa, perfeita e agradável” (Rm. 12:12), como dizem as Escrituras Sagradas.

Deus sabe o que é melhor para nós. Mas, muitas vezes a “teimosia”, a “persistência”, nos faz querer aquilo que no momento não podemos ter. Mas quando pensamos como servos de Deus, temos que renunciar aquilo que achamos que é “de maior e de grande importância para nós”.
E como é difícil renunciar. Os servos de Deus devem servir com uma mentalidade voltada para a vontade soberana do seu Senhor e Criador.

Um dos grandes exemplos de servo é o do Senhor Jesus Cristo. Dizem as Escrituras Sagradas; “antes, a si mesmo se esvaziou, assumindo a forma de servo, tornando-se em semelhança de homens e reconhecido em figura humana, a si mesmo se humilhou, tornando-se obediente até a morte e morte de cruz” (Fl.2:7,8).

Jesus sendo o Filho de Deus, não veio para fazer a sua vontade, mas à vontade de Pai. Fazer a vontade daquele que o enviou.
Não poderemos ser considerados servos do Senhor, enquanto não nos esvaziarmos de nós mesmos e experimentarmos o que Deus têm e está reservando para nós: “Aquilo que nem olhos viram e nem ouvidos ouviram” (1 Co. 2:9).

A Bíblia diz que Ele trabalha por aqueles que Nele espera” (Is. 64:4).
Mas, como é difícil esperar, quando você já “acha” que esperou demais. Como é difícil esperar, quando você vir “algo” que esperou por tanto tempo parecer tão próximo a você. E como é “inaceitável” pensarmos, saber que, mesmo parecendo tão próximo, este “algo” está além do nosso alcance.

Precisamos entender que, como servos do Senhor Jesus Cristo, não podemos usar Deus para atingirmos nossos propósitos. Mas, deixar que Deus nos use para os propósitos Dele.
Porque Ele nos dará aquilo que precisamos no Seu tempo, não no nosso.

Pr Francivaldo

DESMASCARANDO O ESPIRITISMO! 1 SAMUEL 28:3-21

A VERDADE SOBRE O ESPIRITISMO


As doutrinas dos vários grupos espíritas são tão diferentes que é impossível definir todas. No "baixo espiritismo",da magia negra, fazem pacto com o diabo e proferem obscenidades e blasfêmias contra Deus (Ap. 13:6). Consideraremos aqui somente as doutrinas dos grupos mais "refinados" e em particular a "Declaração dos Princípios" adotada pela associação nacional dos espíritas.

A doutrina sobre a Bíblia

Não reconhecem a Bíblia como autoridade de fé ou doutrina. Baseiam sua doutrina nas "revelações". Na obra "O ABC do Espiritismo" citam a pergunta: "Não se baseia a Bíblia no Espiritismo?" e respondem: Não! O espiritismo não depende de nenhuma revelação anterior para suas credenciais e provas. Para os cristãos é pura blasfêmia o fato de colocar as revelações contraditórias do espiritismo no mesmo nível da infalível Palavra de Deus. Temos evidências demais, as quais nos levam a depender somente da revelação bíblica.

A doutrina do pecado e da expiação

A.J. Davis, o "precursor do espiritismo", combatia vigorosamente a idéia da expiação, dizendo que era de tendência imoral e que nunca ouve evidência da queda do homem. Todavia, os espíritas reconhecem a existência do mal e crêem que existe uma espécie de purgatório para os espíritos das trevas. A Bíblia, entretanto, mostra a base para a doutrina da expiação...

A doutrina da salvação

Os espíritas defendem que, por meio das obras, as almas podem ir progredindo das regiões escuras para as esferas de luz. Com o tempo, todas chegam às esferas superiores. Para sustentar esta falsa doutrina, defendem a reencarnação, distorcendo textos como João 3:3 e defendem que João Batista é a reencarnação de Elias. A Bíblia ensina que nossa salvação não é pelas obras, e sim pela fé (Ef. 2:8-9)

O aumento do espiritismo e da atividade demoníaca que se observa hoje em dia é um sinal dos últimos tempos. Para combater este crescente satanismo, a igreja deve se posicionar, renovando sua disposição para o estudos sistemático da Palavra de Deus, incentivando todos os crentes a se comprometerem com os estudos doutrinários.

O conhecimento da Palavra de Deus é o melhor conhecimento  e a melhor arma para se refutar uma doutrina falsa.

Será que devemos Acreditar na Doutrina de um homem ? Leia II Pedro 2:1

DIFEREÇA RESSURREIÇÃO E REENCARNAÇÃO

Diferença  RESSURREIÇÃO e reencarnação


Reencarnar: v. Int. Reassumir a forma humana.
Reencarnação: s.f. Ato ou efeito de reencarnar; pluralidade de existências com um só espirito.

Reencarnação é uma ideia central de diversos sistemas filosóficos e religiosos, segundo a qual uma porção do Ser é capaz de subsistir à morte do corpo. Chamada consciência, espírito ou alma, essa porção seria capaz de ligar-se sucessivamente a diversos corpos para a consecução de um fim específico, como o auto-aperfeiçoamento ou a anulação do carma.

Características

A reencarnação é um dos pontos fundamentais do Espiritismo, codificado por Allan Kardec, do Hinduísmo, do Jainismo, da Teosofia, do Rosacrucianismo e da filosofia platônica. Existem vertentes místicas do Cristianismo como, por exemplo, o Cristianismo esotérico, que também admite a reencarnação.

Há referência recentes a conceitos que poderiam lembrar a reencarnação na maior parte das religiões, incluindo religiões do Egito Antigo, religiões indígenas, entre outras. A crença na reencarnação também é parte da cultura popular ocidental, e sua representação é frequente em filmes de Hollywood. É comum no Ocidente a ideia de que o Budismo também pregue a reencarnação, supostamente porque o Budismo tenha se originado como uma religião independente do Hinduísmo. No entanto essa noção tem sido contestada por fontes budistas.

Origens

A crença na reencarnação tem suas origens nos primórdios da humanidade, nas culturas primitivas. De acordo com alguns estudiosos, a ideia se desenvolveu de duas crenças comuns que afirmam que:
Os seres humanos têm alma, que pode ser separada de seu corpo, temporariamente no sono, e permanentemente na morte;
As almas podem ser transferidas de um organismo para outro.
Entre as tentativas de dar uma base "científica" a essa crença, destaca-se o trabalho do Dr. Ian Stevenson, da Universidade de Virgínia, Estados Unidos, que recolheu dados sobre mais de 2.000 casos em todo o mundo que evidenciariam a reencarnação. No Sri Lanka (país onde a crença é muito popular), os resultados foram bem expressivos.

Segundo os dados levantados pelo Dr. Stevenson, os relatos de vidas passadas surgem geralmente aos dois anos de idade, desaparecendo com o desenvolvimento do cérebro. Uma constante aparece na proximidade familiar, embora haja casos sem nenhum relacionamento étnico ou cultural. Mortes na infância, de forma violenta, aparentam ser mais relatadas. A repressão para proteger a criança ou a ignorância do assunto faz com que sinais que indiquem um caso suspeito normalmente sejam esquecidos ou escondidos.
Influências comportamentais (fragmentos de algum idioma, fobias, depressões etc) podem surgir, porém a associação peremptória desses fenômenos com encarnacões passadas continua a carecer de fundamentação científica consistente, sendo mais facilmente atribuíveis a outros fatores.

Dentre os trabalhos desenvolvidos por Dr. Stevenson sobre a reencarnação, destaca-se a obra Vinte casos sugestivos de reencarnação.
É importante também citar o trabalho do Engenheiro Norte-Americano Joseph Richard Myers, o qual atualmente reside no Brasil. Sua pesquisa que durou mais de 40 anos, resume-se em provar que além da história de vida, tendências pessoais e traços de personalidade, também a aparência física é um fator de identificação de um mesmo espírito em diferentes reencarnações, ou seja, há uma semelhança física entre as personalidades animadas por um mesmo espírito em diferentes existências.


Ressurreição: s.f. Ato de ressurgir
Ressurgir: v. Int. Tornar a surgir; ressuscitar. (Pres. Ind.: ressurjo, ressurges, etc.; pres. Sub.: ressurja, ressurjas, etc.; part.; ressurgido.)
Ressuscitar: v.t. Ressurgir; voltar a viver.

Ressurreição em latim (resurrectione), grego (a·ná·sta·sis). Significa literalmente "levantar; erguer". Esta palavra é usada com frequência nas Escrituras bíblicas, referindo à ressurreição dos mortos. No seio do povo hebreu, a palavra correlata designava diversos fenômenos que eram confundidos na mentalidade da época. O seu significado literal é voltar à vida, assim o ato de devolver uma pessoa considerada morta era chamada ressurreição; Existe a conotação escatológica adotada pela igreja católica para esse termo que é a ressurreição dos mortos no dia do juízo final.

Através dos séculos, os cristãos sempre confessaram o credo dos apóstolos: “Creio na ressurreição da carne”. Esta confissão de fé na ressurreição “carnal” dos crentes é fundamentada na fé da ressurreição do corpo de Cristo. Apesar da convicção inabalável da igreja histórica na ressurreição da carne, existem, em nossos dias, alguns que se julgam ortodoxos, mas não aceitam esta doutrina. No passado, também houve aqueles que se apartaram dessa confissão pregada pelo cristianismo apostólico, negando a realidade da ressurreição. Hoje, igualmente, alguns continuam sendo tentados a mudar de rumo negando a materialidade da ressurreição. O que nos chama a atenção nisso tudo é que os tais não têm dificuldades em pregar uma “tumba vazia” enquanto, de forma irônica, negam que um corpo material (carnal) possa ter emergido desta. Em resumo, enquanto negam a materialidade da ressurreição, confessam sua objetividade, e, baseados nesta confissão, concluem que detém uma fé bíblica.
Existem acadêmicos que realmente acreditam que Jesus deixou para trás uma tumba vazia, entretanto, o corpo de sua ressurreição foi invisível e imaterial em sua natureza. Distorcem os ensinamentos do apóstolo Paulo e ensinam que “o corpo futuro (ressurreto) dos crentes não será carnal, mas unicamente um corpo espiritual”. O professor E. Glenn Hinson concorda que Paulo foi convencido de que o Cristo que lhe apareceu no caminho de Damasco pertenceu a outra ordem de existência, diferente daquela que os discípulos conheceram em carne. “O Cristo ressurreto não possui um corpo físico, mas um corpo espiritual”. O acadêmico Murray Harris, da Trinity Evangelical Divinity School, é outro exemplo deste deslize teológico. Ele é categórico em dizer que: “depois da ressurreição de Jesus o estado essencial de seu corpo era de invisibilidade e imaterialidade”. Harris ainda acrescenta que o corpo de ressurreição dos cristãos “não será carnal de forma alguma”. De acordo com esta concepção, o corpo ressurreto de Jesus não era o mesmo corpo físico que Ele possuiu antes de sua morte, mas uma espécie de segunda incorporação. Tal fato, se visto de maneira realmente bíblica, tende-se ao erro, pois claramente as escrituras sagradas afirmam que o Cristo Ressurreto teve fome e a prova cabal e concreta do corpo físico está em Lucas 24:39.

Perguntamos: Seria justo classificar essas pessoas de “hereges”, simplesmente porque afirmam que Jesus não ressuscitou no mesmo corpo físico no qual Ele morreu? Qual é a importância de pregar que Jesus ascendeu ao céu com um corpo físico? Não bastaria apenas concordar que de fato Ele ressuscitou, que sua tumba está vazia e que Ele venceu o poder da morte? A resposta para estas questões encontra respaldo em elementos históricos e teológicos. Vejamos: sucintamente fundamentados nas Sagradas Escrituras, podemos atestar que, não somente hereges, mas anticristos, pois, além de negarem a sobre excelente manifestação do poder de DEUS de ressuscitar um corpo, negam que JESUS CRISTO veio em carne; não só CRISTO JESUS veio em carne, mas JESUS CRISTO veio em carne, é assim que conhecemos os espíritos que são de DEUS, conforme atesta o pescador João, em sua primeira carta, capítulo 4.

Vimos que reencarnação é o modo pelo qual um mesmo espirito se apoderaria de diversos corpos passando a viver materialmente em diversas épocas. Exemplo: o ser vivente nasceu homem na origem, após a morte, entraria em um novo corpo no momento do nascimento e viveria novamente assim sucessivamente.
Se caso foi um homem, em um novo nascimento poderia nascer mulher, e assim sucessivamente.
Baseado em que, ninguém sabe! Não existe em lugar nenhum, base para essa teoria. A única explicação seria assumidamente uma distorção, uma doutrina semi paralela deturpando em sua plenitude as coisas em relação a Palavra de Deus. Seria a negatividade as Escrituras Sagradas. É a chamada “meia verdade”. Fala uma coisa que Deus não falou. Face essa teoria negativista, aquele que se diz seguidor de Cristo Jesus abomina veementemente essa prática porque trata-se de doutrina demoníaca. Deus falou nas Escrituras Sagradas o seguinte: (Hebreus 9.27) E, assim como aos homens está ordenado morrerem uma só vez, vindo, depois disto, o juízo,
(Eclesiastes 12.7) e o pó volte à terra, como o era, e o espírito volte a Deus, que o deu.
(Efésios 4.4) Há um só corpo e um só Espírito, como também fostes chamados em uma só esperança da vossa vocação;
(João 11.14) Disse-lhe Marta: Eu sei que há de ressuscitar na ressurreição do último dia.


Não há a menor possibilidade disso acontecer uma vez que quem dá o espirito para cada ser humano é Deus. Se Deus fornece o espirito, Ele quer de volta a menos que a alma se desvie para o reino de Satanás.
Quando o ser humano morre; quer morra na situação de justo ou de ímpio (incrédulo), ele não fica vagando pelo mundo igual aos espíritos dos anjos caídos. Eles ficam sob as ordens de Deus aguardando o dia do julgamento para que sejam separados; os que entrarão no Reino Celestial, e os que entrarão no reino de Satanás(inferno). O ingresso para se entrar no reino de Deus é: fé, crença, conversão, arrependimento. O ingresso para se entrar no reino de Satanás é: "incredulidade, impiedade, maldade, negatividade ao Reino de Deus, descrença em Jesus e Espirito Santo" etc...

19/10/2010

A VOLTA DE JESUS ESTÁ PROXIMA

Francivaldo Silva Pereira-
A PAZ DO SENHOR MEUS AMADOS IRMÃOS E AMIGOS , PENSE, SOBRE ESTÁ MENSAGEM!

A Volta de Jesus está Próxima - (Mateus 24.3-14)

24.3
No monte das Oliveiras, achava-se Jesus assentado, quando se
aproximaram dele os discípulos, em particular, e lhe pediram: Dize-nos
quando sucederão estas coisas e que sinal haverá da tua vinda e da
consumação do século. 24.4 E ele lhes respondeu: Vede que ninguém vos
engane.

24.5 Porque virão muitos em meu nome, dizendo: Eu sou o Cristo, e enganarão a muitos.

24.6 E, certamente, ouvireis falar de guerras e rumores de guerras;
vede, não vos assusteis, porque é necessário assim acontecer, mas ainda
não é o fim.

24.7 Porquanto se levantará nação contra nação, reino contra reino, e
haverá fomes e terremotos em vários lugares; 24.8 porém tudo isto é o
princípio das dores. 24.9 Então, sereis atribulados, e vos matarão.
Sereis odiados de todas as nações, por causa do meu nome. 24.10 Nesse
tempo, muitos hão de se escandalizar, trair e odiar uns aos outros;
24.11 levantar-se-ão muitos falsos profetas e enganarão a muitos. 24.12
E, por se multiplicar a iniquidade, o amor se esfriará de quase todos.
24.13 Aquele, porém, que perseverar até o fim, esse será salvo. 24.14 E
será pregado este evangelho do reino por todo o mundo, para testemunho
a todas as nações. Então, virá o fim.
Nada melhor e mais confiável ouvirmos da boca do Senhor Jesus sobre o tempo da sua volta após a sua morte por causa de nós.Ainda no Monte das Oliveiras, os apóstolos perguntaram a Jesus quando
ele haveria de voltar a terra novamente, isso porque Jesus dizia que
iria, mas depois voltaria, então os apóstolos perguntaram quando?....
que data seria essa?Como o povo poderia saber exatamente esse tempo? Então Jesus não disse
exatamente o dia nem a hora, para que não causasse um problema maior
entre a nação da terra
Imagine você saber que iria morrer na terça feira dia tal por exemplo?
Imagina a apreensão que essa criatura ficaria? Então Jesus disse a
eles, e agora para nós que ainda vivemos, que observassem as
transformações em que o mundo iria passar tais como:
- Muitos afirmando ser o Cristo, e enganarão a muitos....
- Boatos sobre guerras, rumores, estratégias de armamento militar para guerras....
- Discórdias entre nações, reinos contra reinos....
- Fomes....
- Terremotos em vários lugares...
- Turibulação por professar o Evangelho pelo mundo.....
- Mortes, perseguições, por professarem o Evangelho...
- Odiados entre as nações porque professam o Evangelho de Cristo....
- Escandalizações fora do comum...
- Traições das mais diversas formas....
- Odiar uns aos outros sem precedentes....
- Surgirão diversos falsos profetas enganando a muitos com doutrinas falsas.....
- A iniquidade
(maldade; ruindade; injustiça; malvadez, crueldade, mal trato, não
observância da justiça , no sentido de igualdade [igual para todos]. É
a qualidade daquilo que é iníquo ou uma ação iníqua. É a falta de
equidade . O que é considerado malévolo, perverso , mau ... É andar no
caminho do erro , em pecado [transgredindo as leis de Deus] )
, se multiplicará....
- O esfriamento do amor por quase todos os habitantes da terra.....
- A pregação do Evangelho por toda parte do mundo, para testemunhar as nações....
- Então virá o fim...
Por acaso não estamos presenciando tudo isso!??..... Será que ainda resta alguma dúvida se esse dia está longe ou perto?
Jesus disse que fiquemos vigilantes para que não sejamos pegos de
surpresas. Quando Ele disse isso, ele não quis dizer que ficássemos
acordados sem dormir não!
Ele quis dizer que acatássemos todas essas afirmações, que
acreditassemos, que aceitassemos seus ensinamentos, seguissemos seus
caminhos, pois é uma certeza real.
Disse que aquele que perseverar, (persistir, continuar firme e constante, e não ficar mudando de opinião toda vez que as coisas não vão bem, até o fim) SERÁ SALVO.
O Apóstolo Paulo disse:
"Combati o bom combate, completei a carreira, guardei a fé." (2 Timóteo 4:7)
O Apóstolo Tiago também disse:
"Bem-aventurado o homem que suporta, com perseverança, a provação;
porque, depois de ter sido aprovado, receberá a coroa da vida, a qual o
Senhor prometeu aos que o amam." (Tiago 1:12)
Nos últimos tempos nós temos presenciado coisas assustadoras em nosso
meio, grandes catástrofes, grandes temores, ninguém têm mais amor pelo
próximo. Para matar alguém hoje basta olhar para ele e simplesme mata.
  ANALISE A SUA VIDA MEUS QUERIDOS IRMÃOS E AMIGOS   PR FRANCIVALDO ENSINANDO A BÍBLIA E EXALTANDO A CRISTO!!!!!!!!!!!!!!
 
Francivaldo Silva Pereira

MENSAGEM PASTORAL - Descansando na Fidelidade do Senhor

A PAZ DO SENHOR MEUS QUERIDOS IRMÃOS E AMIGOS PENSE UM POUCO NESTA MENSAGEM.

Quando “tentamos” compreender a profundidade e
complexidade de Deus, chegamos a uma real conclusão: “na realidade,
servimos a um Deus Grande,poderoso,Maravilhoso”.
Isto porque, há coisas que o
criador faz e realiza que ultrapassa os limites do raciocinio, da
lógica e da compreensão humana. Veja o exemplo do povo de Israel.
Israel
havia sido levado cativo para a Babilônia (586a.C) por causa de sua
transgressão e desobediência para com Deus e ainda o seu abandono à
Palavra e as promessas do Senhor.
Deus permitiu que a nação de Israel sucumbisse nas mãos do rei babilônico Nabucodonosor.
No
entanto, lá no cativeiro, Ele (Deus), levanta o profeta Jeremias, e diz
a este profeta: “ põe a boca no pó; talvez ainda aja esperança” (Lm. 3;
29).
E foi das ruínas e do pó, que o Senhor levantou Israel novamente como uma grande nação.
No
Livro de Lamentações de Jeremias no capitulo três, o Senhor diz que as
misericórdias Dele são a causa de não sermos consumidos; pois elas não
têm fim e se renovam a cada manhã (Lm. 3;22).
E o que dizer de sua
fidelidade, ela é grande e não tem fim. Como também é grande o nosso
Deus. Por isso vale a pena descansar na fidelidade do Senhor.
De
certa forma, como a nação de Israel na época do cativeiro babilônico,
muitos crentes hoje em dia seguem o mesmo mau exemplo deste povo.
Pois negligenciam a obra do Senhor por estarem mais ligados, às “ coisas” do mundo do que a obra de Deus.
E para se justificarem de suas negligencias e más atitudes, lançam as desculpas mais “esfarrapadas”  possíveis. Mas
para aquele que permanece fiel a Deus, Ele, promete ser fiel também
para com este. Porque Deus não costuma ter compromisso com quem não tem
compromisso com Ele.
A fidelidade de Deus, é de eternidade à eternidade para com aqueles cujo o coração é totalmente Dele.O
profeta Jeremias, podia confiar e descansar na fidelidade de Deus, por
isso, orou ao Senhor em busca de uma solução para a situação adversa
que ele e o povo de Israel estava vivendo.
E Deus em resposta a esta oração disse a Jeremias: “põe a boca no pó, talvez ainda haja esperança”
 
Meus Amados irmãos e amigos pense sobre isso! Pr Francivaldo Ensinando a Bíblia e Exaltando a Cristo!!!!!

MENSAGEM PASTORAL - Descansando na Fidelidade do Senhor



Quando “tentamos” compreender a profundidade e
complexidade de Deus, chegamos a uma real conclusão: “na realidade,
servimos a um Deus Grandioso”.
Isto porque, há coisas que o
criador faz e realiza que ultrapassa os limites do raciocinio, da
lógica e da compreensão humana. Veja o exemplo do povo de Israel.
Israel
havia sido levado cativo para a Babilônia (586a.C) por causa de sua
transgressão e desobediência para com Deus e ainda o seu abandono à
Palavra e as promessas do Senhor.
Deus permitiu que a nação de Israel sucumbisse nas mãos do rei babilônico Nabucodonosor.
No
entanto, lá no cativeiro, Ele (Deus), levanta o profeta Jeremias, e diz
a este profeta: “ põe a boca no pó; talvez ainda aja esperança” (Lm. 3;
29).
E foi das ruínas e do pó, que o Senhor levantou Israel novamente como uma grande nação.
No
Livro de Lamentações de Jeremias no capitulo três, o Senhor diz que as
misericórdias Dele são a causa de não sermos consumidos; pois elas não
têm fim e se renovam a cada manhã (Lm. 3;22).
E o que dizer de sua
fidelidade, ela é grande e não tem fim. Como também é grande o nosso
Deus. Por isso vale a pena descansar na fidelidade do Senhor.
De
certa forma, como a nação de Israel na época do cativeiro babilônico,
muitos crentes hoje em dia seguem o mesmo mau exemplo deste povo.
Pois negligenciam a obra do Senhor por estarem mais ligados, às “ coisas” do mundo do que a obra de Deus.
E para se justificarem de suas negligencias e más atitudes, lançam as desculpas mais “esfarrapadas” e esdúxulas possíveis.
Mas,
para aquele que permanece fiel a Deus, Ele, promete ser fiel também
para com este. Porque Deus não costuma ter compromisso com quem não tem
compromisso com Ele.
A fidelidade de Deus, é de eternidade à eternidade para com aqueles cujo o coração é totalmente Dele.
O
profeta Jeremias, podia confiar e descansar na fidelidade de Deus, por
isso, orou ao Senhor em busca de uma solução para a situação adversa
que ele e o povo de Israel estava vivendo.
E Deus em resposta a esta oração disse a Jeremias: “põe a boca no pó, talvez ainda haja esperança”.

Maneira Estranha de Deus Trabalhar!

Francivaldo Silva Pereira-01:28-


Sei
que isso soa realmente estranho, mas enquanto pensava sobre isso nesta
manhã, o Senhor foi enchendo o meu coração e ajudando-me a compreender
algumas coisas que gostaria de compartilhar com você.

Não
tenho dúvidas de que você como eu, muitas vezes já se encontrou ou
sentiu-se perdido em alguns momentos ou situações da vida, muitas vezes
confusas em que nos vimos sem saber o que fazer, pra onde ir, o que
orar ou o que esperar; e neste momento, de lágrimas e dor, questionamos
onde Deus estava? O que estava
fazendo? Ou o porquê ainda não havia dito nada sobre esta ou aquela
situação? Porque não fazia nada? Uma série de indagações que
sabemos muito bem como são, e que provavelmente se não tivermos feito
com palavras, direto ou indiretamente fizemos com o coração. Porém,
quando nos vimos assim, ou se hoje estivermos assim, o que nos faz pensar que só porque não sentimos ou vemos nada acontecer, é porque Deus não está trabalhando?

Questionamos
o agir de Deus, e baseados numa certeza errônea dos nossos pensamentos
e sentimentos advindos duma visão limitada da ação Dele em nossas
vidas, tomamos atitudes e decisões erradas na plena convicção de uma
verdade duvidosa dos fatos.

Qual
tem sido nosso referencial de certeza, de fé, e esperança? Em quê ou em
quem baseamos nossas decisões e com isso colocarmos em check o agir do
próprio Senhor?

Se
Deus tivesse que nos explicar sempre tudo o que Ele está fazendo todas
as vezes que não entendêssemos o que está acontecendo; porque então nos
pediria para crer e confiar Nele?

Se
Deus trabalhasse apenas na medida que fôssemos capazes de compreender,
então nós seríamos Deus e Ele homem, os papéis estariam invertidos.

O
que eu aprendo quando olho pra mim e olho para o Senhor, é que Nele e
não em mim, estão todas as certezas que eu preciso, a direção que não
tenho, as respostas que não encontro, a segurança que firma meus pés e
fortalece meu coração, o milagre, a força, o ânimo (...), a vida eterna!

DEUS TRABALHA!

Mesmo quando não entendemos nada!

Mesmo quando não sabemos o que fazer!

Mesmo quando não vemos nada acontecer!

Sua
maneira de agir, estranha ou não aos olhos do nosso entendimento; é a
maneira perfeita! É a maneira certa! E por meio dela se confiarmos,
crermos e esperarmos, alcançaremos vitória e êxito em Cristo para
nossas vidas!

Creia nisso, Deus está trabalhando por você!!!


Ref.: Isaías 64:4, Salmos 37:3-5.